Qual a importância de uma empresa ter presença nas mídias digitais?

Das várias novidades pelas quais o marketing digital passa diariamente, uma certeza nós podemos ter: foi-se o tempo em que bastava ter um site no ar. De fato, um dos pontos mais indispensáveis hoje é marcar presença nas mídias digitais. Contudo, essa afirmação que é simples e até certo ponto óbvia, na verdade não passa […]

Escrito por Equipe Guia de Investimentos | 30.11.2020

Gostou da leitura?

Compartilhe:

Das várias novidades pelas quais o marketing digital passa diariamente, uma certeza nós podemos ter: foi-se o tempo em que bastava ter um site no ar. De fato, um dos pontos mais indispensáveis hoje é marcar presença nas mídias digitais.

Contudo, essa afirmação que é simples e até certo ponto óbvia, na verdade não passa do começo dos esforços. Afinal, existem muitas redes sociais no mercado, focadas em mensagens, textos longos, fotos, vídeos, mundo corporativo, etc.

Diante desse universo de possibilidades e opções, algumas empresas podem se sentir confusas, ou mesmo acabarem tomando decisões equivocadas que não tragam o melhor resultado.

Por isso algumas marcas acabam tentando o tão almejado sucesso nas mídias sociais, mas, no fim, desistem e colocam a culpa nessas plataformas, quando provavelmente o problema foi uma falta de assertividade nas estratégias.

Além disso, a maioria das redes oferece uma conta gratuita para qualquer um, seja pessoa física ou jurídica. Porém, há uma diferença muito grande entre buscar crescimento orgânico (gratuito), e crescimento pago via Advertising (anúncios).

Tudo isso se tornou tão importante que hoje já existe até a figura do Social Media, que nada mais é do que um profissional especializado, com formação na área. Ou seja, faz tempo que as mídias sociais não são apenas um local de bate-papo pessoal.

Além de se tornarem o principal meio de marketing digital de milhões de empresas espalhadas pelo mundo, elas concentram cada vez mais usuários. Os quais, por sua vez, passam cada vez mais tempo conectados e trafegando.

Segundo pesquisa recente da GlobalWebIndex, uma das maiores empresas da área, nos últimos dez anos o tempo que cada pessoa passa diariamente na internet aumentou em 90 minutos; ou seja, uma hora e meia a mais por dia.

Além disso, a pesquisa foi realizada em 45 países, e constatou que o Brasil é o segundo no qual as pessoas passam mais tempo conectadas, o que dá quase quatro horas por dia. Perdemos apenas para as Filipinas, e depois de nós vem o Japão.

Tem como uma marca dizer que não quer ou não precisa desse espaço digital? Então, para entender melhor qual é a real importância de uma empresa ter presença nas redes (e de brinde levar algumas dicas práticas da área), é só seguir adiante.

Segmentação e direcionamento do público

Quais eram as opções que uma empresa tinha para divulgar seu trabalho há duas ou três décadas? Panfletagem, outdoors, rádio, televisão (em alguns casos), mas se você parar pra pensar, todos esses meios tinham algo em comum.

Quando alguém divulgava uma escola particular integral, por exemplo, não era possível saber quem ia levar o panfleto para casa, e quem ia jogar fora; ou ainda, quem estava ouvindo o rádio, ou apenas deixado o aparelho ligado.

Embora essas estratégias offline continuem funcionando, e provavelmente sempre funcionarão, é preciso reconhecer que a internet e as redes sociais trouxeram uma verdadeira revolução em termos de direcionamento e segmentação.

Isso quer dizer que você não precisa criar/pagar por propagandas e simplesmente torcer para que o conteúdo chegue à pessoa certa, na hora certa. Há dezenas e centenas de algoritmos criados para garantir que isso aconteça.

Hoje as redes são capazes de canalizar um anúncio para nichos específicos, que revelam não apenas gênero, faixa etária e formação acadêmica dos usuários, mas até os interesses gerais deles, como música, literatura, política, advocacia, etc.

Assim, se você anuncia algo como sacola kraft lisa, que é uma solução considerada “amiga da natureza”, por usar uma cola de origem vegetal, é possível chegar às pessoas que seguem canais de ecologismo e sustentabilidade.

É incrível, não é mesmo? Em outros casos, há algoritmos que permitem detectar, pelas pesquisas que a pessoa faz dentro da própria plataforma, se ela está em momento de compra, ou apenas buscando novos contatos e novas amizades.

Importância do público-alvo e da persona

Depois de entender quão incríveis os algoritmos de uma rede social podem ser, a dúvida mais comum é sobre como essa presença digital pode facilitar a comunicação entre a marca e o seu público específico.

Realmente, ao anunciar algo em torno de vinho para lembrança, é preciso ser assertivo não apenas na configuração das campanhas e ações, mas até mesmo na linguagem que vai ser aplicada. Neste caso, o mais indicado é algo formal, concorda?

Uma das grandes funções da rede social é “dar um rosto” para a empresa, ou seja, mostrar que ela está lado a lado com a clientela e o público. Para isso funcionar, é preciso que a marca compreenda a fundo seu público-alvo e sua persona.

Hoje se utiliza a concepção de persona, uma vez que vai além do público-alvo, por ser mais dinâmico e compreender muito mais do que os tradicionais “nome”, “endereço” e “poder aquisitivo”.

As questões que o marketing precisa levantar para os perfis da persona são:

  • Qual a rede social predileta do meu cliente ideal?
  • Quantas horas por dia ele passa conectado?
  • Quais outros veículos de informação ele utiliza?
  • O que ele faz nas horas vagas quando está offline?
  • O que ele adora que lhe façam nesse segmento?
  • O que ele odeia que uma empresa faça?

Se você trabalha com shampoo antiqueda sem sal, é possível montar um painel com duas ou três personas diferentes, e responder várias perguntas assim. Com o tempo, cada ação de marketing falará mais assertivamente com esses perfis.

Unindo isso à segmentação citada anteriormente, é praticamente impossível sua marca não chegar às pessoas certas, na hora certa e do modo certo. O que não passa da fórmula perfeita para um bom desempenho nas mídias sociais.

Qual rede social é a mais apropriada para mim?

Outra dúvida muito comum é esta, até pela ansiedade que uma pessoa pode revelar ao compreender todas as vantagens que as mídias sociais trazem. Contudo, é preciso ter calma e estudar o mercado antes de começar a investir tempo e dinheiro.

De fato, toda e qualquer empresa pode conseguir veicular seus anúncios nas redes de forma muito mais barata e prática, tanto uma loja de manutenção impressora laser quanto a indústria que fabrica esses equipamentos. Isso é verdade.

Mas não vai adiantar nada se, mesmo cumprindo os requisitos citados acima, a marca estiver em uma rede social que não tem sinergia com seu negócio. 

O fato de haver várias opções de redes atualmente não se deve apenas à concorrência entre elas, mas à natureza de cada uma.

Isso não quer dizer que você deverá ficar apenas em uma, pois marcar presença nas principais é interessante. Porém, seu foco estratégico, e até seus recursos investidos, devem se concentrar na principal, no máximo em duas ou três.

Se você anuncia aula de ballet masculino, por exemplo, qual não é a importância de poder veicular vídeos que demonstrem as vantagens da sua academia, não é mesmo? 

Neste caso, uma rede de mensagens instantâneas servirá apenas como pós-venda. Para captação de leads e geração de oportunidades, você pode investir naquelas que permitem levar fotos, vídeos e demais multimídias ao seu público.

As principais redes de hoje e suas vantagens

Como vimos, os conteúdos gerados giram em torno do seguinte: mensagens instantâneas, textos mais longos com foto ou vídeo, foco em fotos e imagens, foco sobre os vídeos, foco no mundo corporativo, e daí em diante.

Se você trabalha com wobbler display, além de poder se beneficiar mais das visuais, também pode dividir a função delas conforme seu funil de vendas, tal como vimos acima, deixando uma para o topo, outra para o fundo, e uma para pós-venda e suporte.

Hoje as principais redes do mercado são, respectivamente:

  • WhatsApp e Telegram: mensagens instantâneas;
  • Textos com fotos ou vídeos: Facebook e Twitter;
  • Foco em fotos e imagens: Instagram e Pinterest;
  • Foco em vídeos: YouTube, Vimeo, TikTok;
  • Foco no universo corporativo: LinkedIn, entre outras.

Assim como sua percepção de mercado e de público-alvo vai determinar qual rede é mais apropriada para você, o que determina as vantagens de cada uma também está condicionado ao seu caso em específico.

A primeira dica de ouro nisso é levar em conta a natureza de cada uma, conforme detalhado acima, sobre o foco recair em texto, foto ou vídeo. 

Outra dica prática que pode ajudar muito é você estudar a sua concorrência antes de iniciar suas campanhas.

Se você trabalha com transportadora cargas pequenas e seu interesse agora é recrutar os melhores talentos, dê uma espiada no LinkedIn. Se outras marcas conhecidas do seu setor estão cheias de contatos ali, é um forte indício de que você também irá bem.

Em outras vezes, a diferença de tom é patente, como entre Vimeo, que é mais sério, e TikTok, que é mais brincalhão. Logo, se você é um advogado ou um influencer mirim, nem é preciso dizer qual delas fará mais sentido para você.

Com isso, fica claro como as redes sociais se tornaram não apenas importantes para qualquer empresa, mas também um espaço digital de oportunidades comerciais incríveis.

 

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Assine agora nossa Newsletter
Receba conteúdos exclusivos do UOL EdTech na sua caixa de entrada